Sábado, 31 de Outubro de 2020

Lisboa - Eugénio de Andrade

a noite fez-se para amar 1a.jpg

 

Eugénio de Andrade  Lisboa

nos meus tempois, lisboa, 2016a.jpg

 

 

(Dagoberto Silva)

 

 

Esta névoa sobre a cidade, o rio,
as gaivotas doutros dias, barcos, gente
apressada ou com o tempo todo para perder,
esta névoa onde começa a luz de Lisboa,
rosa e limão sobre o Tejo, esta luz de água,
nada mais quero de degrau em degrau.
 
(in Escrita da Terra Homenagens e Outros Epitáfios, Assírio & Alvim)

 

publicado por Augusta Clara às 00:02
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2015

Em busca do pai do D. Quixote - Carlos Matos Gomes

pingos1.jpg

 

Carlos Matos Gomes  Em busca do pai do D. Quixote

 

carlos matos gomes1.jpg

 

 

   Anda uma equipa de arqueólogos espanhóis a tentar identificar os ossos de Cervantes na cripta do convento das trinitárias de Madrid, onde estarão misturados com os de muitos outros seres humanos. É uma estranha tarefa. Gastamos dinheiro e energias na impossível e inútil tarefa de reparar uma injustiça secular em vez de investirmos em evitar as do presente. Muito mais importante que a descoberta dos ossos do «manco do Lepanto» é o texto de José Manuel Caballero Bonald, Premio de Literatura Miguel de Cervantes 2012, publicado no dia 14 de Fevereiro no El País e que eu traduzi o melhor que pude. Importante seria encontramos muitos D. Quixotes, porque moinhos, salteadores, corruptos, prepotentes, hipócritas há por aí muitos:

“Andou sempre a escapar de qualquer coisa: da justiça, da falta de amor, da penúria, do aborrecimento. Não fugia, ausentava-se, largava de um porto desagradável para atracar a outro igualmente pouco acolhedor. As etapas do infortúnio assinalavam um caminho que conduzia a uma inevitável derrota. Que o levava ao triste refúgio de vencido. Sofreu os males de guerras, cativeiros, descalabros e desdéns. A família desfeita, a vontade esgotada, o destino mutilado foram as únicas credenciais com que pretendeu chegar ao inalcançável. Nunca fez carreira em nenhuma confraria porque não era adepto da lisonja nem condescendeu com a iniquidade dos poderosos. Residiu de modo vulgar em cidades impensáveis e executou tarefas desprezíveis. Com pouca prosápia e enfatuamento, com muita humilhação, solicitou trabalhos vásrios, nunca concedidos. Defendeu os valores dos homens decentes e lutou contra os dos falsos, era amigo dos perseguidos e abominava os perseguidores. Um dia, cansado de privações, desiludido por não ter conseguido ser o que sonhara, regressou ao refúgio de onde partira como um combatente aquebrantado pela derrota. Publicou então, quase sexagenário, um livro que haveria de constituir até hoje uma das obras primas da literatura universal. Nem sequer se conhece o paradeiro dos seus ossos. Mesmo que um dia sejam encontrados, tal descoberta jamais remediará a obstinação da injustiça.”

Carlos Matos Gomes

 

publicado por Augusta Clara às 08:00
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Junho de 2012

Canção de Ninar e Retrato 3 por 4 - Ethel Feldman

 

 

 

Ethel Feldman

 

(ilustração de Adão Cruz)

 

 

 

 

 

Canção de Ninar

 

canta-me a musica que te embala os dias,

deixa que ela me invada e eu esqueça que existo,

mantêm-me quieta e silenciosa porque doi-me o corpo por dentro. 

enquanto adormeço cansada, choro.

este não é mais o país que eu sonhei.

antes, abracei-te na multidão e o teu beijo despertou-me entre todos que amei.

dá-me um cravo vermelho, coloca-o junto ao coração.

semeia em cada corpo uma nova canção.

 

 

 

 

 

 

 

Retrato 3 por 4

 

 no meu retrato
três por quatro
viajo ao passado
aquela sou eu
ainda criança
de copo na mão
na festa da escola
lembras desta?
teu corpo no meu
antes da despedida
tantas vezes partimos
quantas vezes beijei-te
e não fotografei?
na parede o retrato
emoldura o passado
nos meus lábios
um ar morno e doce
indica o presente
onde tudo acontece
enquanto respiro

 

 

 

 

 
publicado por Augusta Clara às 18:00
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

O ponto certo - Augusta Clara

 

 

 

Augusta Clara  O ponto certo

 

 

(Adão Cruz) 

 

 

A aranha viu a mosca na periferia da teia. Impassível, como sabemos que as aranhas ficam, não se preocupou.Tinha todo o tempo do…que a deixassem ter. Do seu castelo, bem no meio da teia, viu a mosca passear no caminho ardiloso dos fios quase invisíveis e virtuosamente tecidos onde gotículas luminosas de sol a encandeavam e atraíam.

 

Um sopro de aragem numa pata e seria sua. A aranha sabia. Não tinha que fazer nada.

 

 

Sem querer, também ela foi sábia.

 

Só prendemos as pessoas quando as deixamos. Mas tem que ser no ponto certo. Como o açúcar. O ponto certo do açúcar. O ponto exacto e perverso do açúcar. Nem mais nem menos um nano pó. Se não for assim, é a condição natural: ninguém fica com ninguém para sempre.

 

Nunca mais o teve. Mas nunca o perdeu.

 

O pé preso na teia não é remissível.

 

E assim ficaram, para sempre, com um amor indestrutível.


publicado por Augusta Clara às 18:00
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Lisboa - Eugénio de Andra...

. Em busca do pai do D. Qui...

. Canção de Ninar e Retrato...

. O ponto certo - Augusta C...

.arquivos

. Outubro 2020

. Fevereiro 2015

. Junho 2012

. Janeiro 2012

.tags

. todas as tags

.favorito

. Sento-me ali mesmo à beir...

. A Falácia da República Po...

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub